Pesquisar

ATENÇÃO!

Não somos responsáveis pelo conteúdo de cada vaga. O nosso trabalho é somente compartilhar o anúncio que cada empresa nos envia.

INFORME NO ENVIO

Informar no corpo do e-mail que a vaga foi anunciada pelo www.gebeoportunidades.org

Pesquisar

quinta-feira, 25 de junho de 2020

Auxílio emergencial deve ter três parcelas, com valores decrescentes

Durante a live Bolsonaro afirmou que as parcelas, devem ser de R$ 500, R$ 400 e R$ 300.

Em sua live semanal, dessa vez acompanhado do ministro da Economia, Paulo Guedes, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que haverá prorrogação do auxílio emergencial de R$ 600 por mais três meses. O benefício, segundo ele, será reduzido gradualmente, e deve ter parcelas de R$ 500, R$ 400 e R$ 300. Depois, o pagamento da assistência a trabalhadores informais seria encerrado.

"Serão com toda certeza $1.200 reais em três parcelas. Deve ser dessa maneira, estamos estudando: R$ 500, R$ 400 e R$ 300", afirmou.

Segundo Guedes, a ideia partiu de Bolsonaro e tem como objetivo ser uma adequação do auxílio. "À medida que a economia começa a se recuperar e andar novamente, as pessoas vão devagar se habituando."

O anúncio da prorrogação ocorre após pressão do Congresso e apoio do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que afirmou em suas redes sociais que a prorrogação do pagamento do auxílio emergencial é ajuda "urgente" e para "agora". Além da extensão do auxílio, o Congresso discute propostas de renda mínima e até a criação de uma frente parlamentar para discutir a ideia.

Política econômica

Já o ministro Paulo Guedes disse que a queda da taxa Selic aconteceu principalmente por causa da política econômica conduzida pelo governo Jair Bolsonaro, mas atribuiu "parte da queda" à crise do coronavírus.

"O Brasil era o paraíso de quem vive de renda o inferno do empresário. Os juros estão desabando, um parte foi essa crise, mas a maior parte foi a política econômica. O Brasil começa a ter recursos para investir, isso está acontecendo", explicou Paulo Guedes, que estimou a queda do serviço da dívida brasileira em mais de R$ 140 bilhões. "(O governo) gastava muito e gastava mal, pagando juros para gato gordo. Agora o governo está gastando menos, está gastando melhor", argumentou o ministro.

Fonte: Correio

Nenhum comentário:

Postar um comentário